Friday, January 20, 2006

Amilcar Cabral



33 anos depois da morte de Amilcar Cabral, muitas missões por cumprir. Ainda assim, uma palavra de esperança.

Regresso
Mamãe Velha, venha ouvir comigo
o bater da chuva lá do seu portão.
É um bater de amigo
que vibra dentro do meu coração.
A chuva amiga, Mamãe Velha, a chuva,
que há tanto tempo não batia assim...
Ouvi dizer que a Cidade-Velha
- a ilha toda -
Em poucos dias já virou jardim...
Dizem que o campo se cobriu de verde,
da cor mais bela, porque é a cor da esp'rança.
Que a terra, agora, é mesmo Cabo Verde.
- É a tempestade que virou bonança...
Venha comigo, Mamãe Velha, venha,
recobre a força e chegue-se ao portão.
A chuva amiga já falou mantenha
e bate dentro do meu coração!
Amilcar Cabral

2 Comments:

Anonymous Mira said...

Sabia que A. Cabral não era comunista? que apenas se aproveitou daquilo que lhe pareceu útil para a luta de libertação? Poi é... se analisar bem a governação levada em cabo pelo PAIGC depois PAICV (que seguia os ideais de cabral)em Cabo verde chegará facilmente a essa conclusão.

1:37 PM  
Blogger Nkhululeko said...

Mira, não estou tão certo de poder chegar facilmente a conclusão sobre questões muito complexas. Em todo o caso, acho que já é tempo de ultrapassar os vícios de racicínio amarrados em «ismos», quaisquer que eles forem. O mundo, os movimentos de libertação, Cabra e outros, oferecem-nos muito maiores possibilidades de análise, felizmente.
Obrigado pelo comentário. Abraço.

7:08 PM  

Post a Comment

<< Home