Friday, May 05, 2006

Bolívia (e não só)

A propósito dos comentários ao post anterior e do que se diz neste lugar e também aqui, uma formulação de Ramain Rolland, popularizada por Gramsci: há que encontrar o equilíbrio entre o pessimismo da razão e o optimismo da vontade.

7 Comments:

Anonymous Carlos Indico said...

Exactamente.A vontade tem que ser muita,porque aqueles povos têm vivido, excepto na Costa Rica, de desilusão em desilusão. Tem sido um sofrimento infindo.
Vivi lá vários anos, logo a minha pele é mais sensível.

6:35 PM  
Blogger Nkhululeko said...

E a luta terá que ser firme, como tem sido em mutios casos. Abraço

9:50 PM  
Anonymous Carlos Indico said...

Tenho um sincero medo que a luta firme, afinal é uma guerra, passe a autoritarismo.
A Bolivia numca foi um País até 20 anos atrás, era uma propriedade do Patiño. Quando o estanho entrou em declinio veio para Sintra. Depois foi golpe de Estado atrás de Golpe de Estado. Depois do Haiti, deve ser o povo mais pobre da A.L.Só existem 4 estruturas nacionais no país: o Estado (muito débil); as F.A. (aparentemente contra, mas desta gente nunca se sabe, depende dos negócios que lhe são cedidos); e a Igreja (com este Papa.....); o crime organizado da cocaina e da mão de obra.
Aceitará Evo ser um mandado, e protegido -é essencial- da potência regional que emerge, a Venezuela?
Haja Esperança!

11:55 PM  
Blogger Mangue said...

Eu explorar os seus recursos = modernização e progresso;
você solicitar a inversão dos termos do contrato = esquerdismo e populismo.

1:50 AM  
Blogger Nkhululeko said...

Pior, Mangue, é fascismo.
Carlos, autoritário tem sido o capitalismo (que tem séculos de estruturação).
Abraços

7:30 PM  
Anonymous Carlos Indico said...

O capitalismo é autoritário porque a tal mão invisel não existe. Compreendo perfeitamente a enorme esperança que centenas de milhões de pessoas têm assumem quando vêm uma possibilidade de terem um futuro melhor para os filhos, já não para eles. É este o caso. Mas hoje um país não são as suas fronteiras, estas quase desapareceram. Por isso,Evo sózinho nada fará. Se não tiver a A.L. em bloco com ele estará condenado. Se atacado terá a tentação de ser autoritário para parar os inimigos internos, que há muitos.Já correu com alguns generais, mas são todos da escola do Panamá.
E este receio que manifesto.

7:55 PM  
Blogger Nkhululeko said...

Partilho essa preocupação, Carlos. As condições para o êxito da luta são muitas. A solidariedade entre os estados e povos da américa latina será uma delas. Vejo, por exmplo, que a integração regional, alternativa à ALCA possa ser um passo importante. O mundo está expectante. Os desafios exigem que seja participativo. Como dizes, haja esperança! Um abraço

9:20 PM  

Post a Comment

<< Home